Maniaca por Livros, Resenhas

[Resenha] Como se apaixonar – Cecelia Ahern

Pronto, mais um livro digníssimo da Cecelia para me fazer amá-la cada vez mais. Sério, essa mulher já está garantindo um espaço permanente no meu coração. E o melhor de tudo? É mais um livro maravilhoso, mas que não tem nada a ver com os anteriores. O que isso quer dizer? Quer dizer que Cecelia é uma ótima autora que não escreve com receitas de bolo e é ainda mais maravilhosa por isso.

como-se-apaixonar

Mas vamos falar desse livro amorzinho. O que você já fez para ajudar um desconhecido? Christine já fez muitas coisas. Ela é dona de uma agencia de recrutamento, ou seja, ela arruma emprego para as pessoas, mas acaba sendo um pouco de psicóloga, pois ela “conserta” seus clientes para que eles possam arrumar o emprego adequado.

Só que o grande problema de Christine é que enquanto ela faz mil e uma coisas para os outros, ela não faz absolutamente nada para si. As coisas só mudam um pouquinho quando um cara tenta se matar na sua frente e ela começa a repensar a sua vida. Quem ela é. Como é seu casamento. Se ela está feliz. E o resultado é que Christine pede o divórcio e acaba com seu casamento de menos de um ano que estava fadado ao fracasso.

E lá está ela, expulsa de seu apartamento, com um ex-marido que não aceita o fim do casamento, sentindo culpa por não ter conseguido evitar o suicídio de um homem e ainda tendo que lidar com seus sócios que não aceitam a demissão da secretaria. Como se tudo já não estivesse suficientemente desastroso, o raio cai pela segunda vez no mesmo lugar: Christine cruza com um homem tentando tirar a própria vida. Só que dessa vez ela está decidida a fazer diferente e salvar a vida daquele cara. A tática dá até certo, se não fosse pelo fato de que o homem desiste de pular da ponte naquele momento em troca dela convencê-lo de que a vida vale a pena até o seu aniversário. Se ela não conseguir isso, ele vai voltar a tentativa de se matar. E quando é o aniversário dele? Daqui duas semanas.

Moral da história: a mulher que no momento não tem qualquer razão para acreditar que a vida vale a pena, tem que convencer um homem de que ela vale sim ou ele vai se matar. Top. Super top. Certo? E com um pequeno help de seus livros de auto-ajuda (que diga-se de passagem ela tem vários), ela faz seu plano. Eles têm que conseguir o antigo emprego dele de volta, fazer sua ex-namorada se tornar atual e se livrar da responsabilidade de assumir a empresa da família.

A ideia em si é bem simples, se tudo não fosse simplesmente fadado ao fracasso.

Christine, para provar ao rapaz que a vida vale a pena, precisa passar muito tempo com ele. Precisa evitar que ele se mate, precisa força-lo a ver a vida de uma forma menos terrível, precisa ajuda-lo a achar soluções. Mas como alguém que não tem soluções para a própria vida, vai ajudar outra pessoa a achar soluções?

Bem, o que ela faz é tentar que se realize exatamente tudo o que ele quer. Do jeito que ele acha que é necessário para que sua vida faz sentido. Só que… Será que o que ele deseja é o que ele realmente precisa? As vezes desejamos dezenas de coisas que acreditamos ser o melhor para nós, mas muitas vezes essas coisas de fato não são. Algumas vezes esses desejos vêm da nossa falta de olhar. Da nossa comodidade com a vida, de desejar que tudo permaneça exatamente igual.

As duas semanas se passam rápido, mas com elas aprendemos muito. E nos derretemos e sofremos um bocado, porque enquanto Christine tenta fazê-lo se apaixonar pela vida, ela acaba se apaixonando por ele. E nós, obviamente, torcemos para que eles terminem juntos, enquanto as semanas chegam ao fim e ele começa a conquistar tudo o que queria para não se matar.

 Eu adorei o livro, mesmo tendo feito uma resenha péssima com medo de contar algum spoiler. Adorei a construção do relacionamento, adorei a forma como os personagens foram se encontrando com o decorrer da narrativa e eu amei o final, digno de suspiros de contentamento. <3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *