Resenhas

[Resenha] Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia — Laura Florand

Resenha

Olá! Como vão?

Meio tarde para a resenha, eu sei, mas a semana foi uma loucura e tudo saiu dos eixos. Mas o feriado está aí e se depender de mim, tudo voltará a ser lindo. Mas agora se concentrem e prestem atenção nesse livro puro amor. <3

Sabe o amor a primeira vista? Eu e esse livro tivemos esse amor. Afinal, ele tem chocolate e Paris no seu título. Como não amar? Mas antes de começar esse livro, escute um conselho meu: faça uma pequena dieta de uma semana antes de embarcar de cabeça nessa história. Porque a verdade é: eu devo ter engordado uns dois quilos com esse livro. Sem brincadeira nenhuma. Por quê? Porque você lê tanto sobre chocolate, sente tantas sensações que você precisa comer chocolate.

Eu já tenho necessidade de comer chocolate sem esse livro me influenciando. Agora imagina eu com toda essa influência! Mon Dieu!

 Melhor que Chocolate

Melhor que chocolate conta a estória de Cade Corey, bilionária e herdeira de um dos maiores impérios do chocolate dos EUA. Ela cresceu em meio ao chocolate e sabe que vai morrer em meio a ele. Ela ama o chocolate mais do que tudo. O problema é: sua empresa e sua família fazem chocolates populares, e ela quer algo um pouco mais sofisticado. Algo que lembre Paris, que tenha sabor de Paris.

Então ela vai para Paris com seu sonho, em busca de um chocolatier que esteja disposto a colaborar com ela. A verdade é que ela foi em busca do melhor chocolatier da cidade. E o primeiro baque vem quando ela recebe um não bem redondinho em um francês perfeito, vindo da boca de um cara mais perfeito ainda, com mãos simplesmente extraordinárias. E o não se repete em cada lugar por onde ela passa.

Acostumada a comprar tudo com seu dinheiro, Cade se vê frustrada, irritada e até certo ponto magoada com tudo aquilo. Ela está em um apartamento que cabe no banheiro de sua casa, em frente ao cara que ela esperava que realizasse os seus sonhos, mas que não está nem um pouco interessado e em uma cidade que apesar de bela, parece fazer tudo dar errado.

Sylvain, nosso chocolatier maravilhoso, se sente ofendido com a presença de Cade, com sua presunção de achar que pode comprar tudo, inclusive ele. Por achar que pode transformar o trabalho de sua vida em uma produção em massa sem alma e sem essência. Por outro lado, ele sempre fora atraído por mulheres poderosas, mesmo que elas viessem a descartá-lo após conseguirem o que queriam. E foi essa atração que fez com que ele não resistisse a Cade. Que quisesse fazer ela se apaixonar por ele e não apenas por seu chocolate.

Bem, quando eu comecei o livro, fiquei um tanto quanto perdida. Porque eu leio da mesma forma que como chocolate: devorando. Nunca fui muito boa nessa coisa de degustação. Gosto de coisas objetivas, práticas e rápidas. Mas o livro não é assim. O livro foi escrito com a intenção de nos fazer degustar, saborear lentamente. Temos descrição de quase tudo. Do ambiente, do ar, do sabor, das texturas, dos cheiros e das sensações. A autora tenta nos ambientar naquele mundo. Eu adorei, nos faz sentir em Paris e no meio de todo aquele chocolate (olha aí porque morri de comer), mas preciso admitir que sua forma de escrita me obrigou a respirar fundo e dar uma freada na minha forma de leitura, ou ia perder coisas importantes.

Depois que me acostumei com o ritmo, tudo fluiu mais fácil.

E Mon Dieu, esse livro me fez passar mal. Ler esse livro depois de Fingindo não ajudou a minha pessoa a se acalmar, porque não se enganem pela capa fofa, esse livro é quente. Sylvain e Cade juntos são quentíssimos! Eles eram quentes até quando não estavam realmente juntos, até mesmo quando estavam brigando. E vamos combinar que imaginar Sylvain sussurrando em francês no ouvido de Cade não ajudava.

Eu quis tanto socar a cara dos dois! Porque sério, quanta tendência ao desastre esses dois tem! Ela morre de medo de se entregar a qualquer pessoa, se apaixonar e morrer de amores, porque um casamento é um casamento, e uma separação significa parte dos chocolates Corey para o ex-marido. E ele morre de medo de ser usado pelas mulheres de novo, como já foi tantas vezes.

O resultado disso tudo? Dois idiotas que não sabem aproveitar o melhor da vida! Lá estão eles juntos e fofos e lá está a gente suspirando e morrendo de amores. Dois segundos depois lá estão os dois com medo e sem saber como se comportar um com o outro e lá está a gente querendo fazer picadinho dos dois e misturar no chocolate.

Mas o romance dos dois é tão lindo! *-* É tão linda a forma como ele a faz buscar o que realmente quer para a vida. Não o que ela quer para a sua fabrica de chocolate, mas para si própria. Para sua satisfação pessoal. Enquanto isso, ela ao mesmo tempo que tira um pouco do seu orgulho e quebra suas paredes, também lhe dá uma confiança em si próprio. Porque Sylvain sabe que é bom com chocolates e se considera o melhor, mas quando diz respeito a si mesmo… Ele se acha tímido, desajeitado e de alguma forma, não se acha digno o suficiente para uma mulher se apaixonar por ele.

Eles são os opostos de um mesmo mundo, mas são ligados pelo amor pelo chocolate. E que amor! E que chocolate! E que teimosia! E que calor!

Adoro um livro hot que não é hot. Ou seja, um livro normal, mas que tem as cenas certas nos lugares certos. Vocês me entendem? Tudo se completa e nada fica forçado. A verdade é que fica tudo bem hot mesmo. Kkkkk

Outra coisa que achei bacana no livro foi a forma real que a autora tratou Paris. Com cocos de bombos pela cidade, com parisienses arrogantes e mendigos tarados e desaforados. Foi como se ela tirasse o conto de fadas de Paris e mesmo assim continuasse a mantendo romântica. Foi perfeito.

Como eu sempre tenho que não gostar de um personagem (faz parte da tradição), a minha escolhida da vez é a Chantal. Sabe a garota popular que colocou o nerd na friendzone na época da escola e agora se arrepender amargamente? Essa é Chantal. Só que ela é melhor amiga do nerd e quer ter ele de volta. E se mete na vida dele mais do que minha paciência me permitiu aguentar. Ela basicamente agourava a vida amorosa de Sylvain e isso me deixava muito irritada.

Meu personagem preferido foi o avô Corey, porque sim. Ele é maravilhoso! Engraçado, fofo e fofo de novo. Mon Dieu, como eu quis adotar ele para mim!

Eu adorei o livro, AMEI a diagramação (pensa em uma coisa maravilhosa! Fiquei apaixonada!) e talvez a única coisa que eu não tenha amado completamente tenha sido o final. Não sei porque. O final foi bom, foi engraçado e foi fofo. Mas eu achei que de certa forma faltava algo. Só não me pergunte o que faltou. Talvez tenha sido previsível, não sei. É um caso a se pensar.

Mas o importante é: adorei o livro e morri de vontade de cair de pára-quedas em Paris e nunca mais sair de lá. Quero invadir uma chocolataria e viver lá dentro, comer chocolates e conhecer um chocolatier tão maravilhosos quanto Sylvain. Quero apenas me perder no mesmo mundo paralelo no qual Cade se perdeu e esquecer que todo o resto existe. Porque a verdade é que todo o resto perde a importância quando se tem a dose certa de chocolate e amor.

Espero que tenham gostado da resenha. Já leram? Querem ler? O que acharam?

P.s.: Se preparem para aprender um pouquinho dessa língua tão maravilhosa que é o francês. Agora eu sei xingar em francês! Sente como sou fina. Hahaha

P.s.2: Andei pesquisando por ai e pasmem comigo… O livro faz parte de uma série!! Eu só não entendi muito bem se são os mesmos personagens ou personagens diferentes, mas o importante é: Todos os livros terão chocolate. Não preciso de mais nada para viver.

P.s.3: A autora comentou no instagram do blog (@Maniaca_Livros). Apenas morri.

Beijos!

Laury

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *