Textos contos e blábláblá

Bienal pra quê?

Bienal, pra que

Nesse momento passamos por mais uma Bienal do livro (que eu infelizmente não pude e não irei comparecer) e uma pergunta ronda a minha mente: “Bienal pra quê?

Lembro que ano passado em véspera de Bienal de SP, um grande veículo de circulação divulgou um artigo “contando” o quão obsoleta era a Bienal em um mundo que respira tecnologia e até mesmo os livros deixam de ser de papel (<3) e passam a ser digitais. Foi critica em cima de crítica e a pergunta que se tira disso é: A bienal realmente está obsoleta?

Sabe, se fosse há alguns anos atrás e eu não tivesse todo o contato com livros que tenho agora, eu diria sim, a bienal é um evento obsoleto para o qual não há mais espaço em nosso cada vez mais tecnológico século XXI. Mas não são anos atrás, é o agora. E com certeza eu posso dizer: A bienal é atual! Mais do que isso, é o grito da literatura. E ela grita: EU SOBREVIVI!

Ano passado viajei de Goiás à SP para a Bienal com mapa, cronograma e tudo que se é necessário para aproveitar bem uma Bienal e lá eu tive ainda mais certeza disso.

Em época de Bienal todo mundo é leitor. Aquela pessoa que nunca pegou em um livro fora da escola sente curiosidade, aquele que sempre viu tédio nas letras fica alucinado com todo o burburinho e como em um passe de mágica enchemos espaços gigantes com um único propósito: prestigiar a literatura.

Existe o comércio, o capitalismo e interesse. Mas também há a arte, o carinho e os sorrisos.

Pessoas entram perdidas, caminham tímidas pelos corredores e dali até o final do dia tem pelo menos um livro em mãos de volta para casa. Os preços são menores, os escritores sorridentes e o ambiente alucinante. Bienal é contagiante, é tanto amor junto que conseguimos levar aos jornais esse tema “obsoleto”. Por duas semanas livros estampam capas de revistas, tem seus 15 minutos de fama no jornal e cara, os blogs literários bombam. As pessoas simplesmente descobrem quem ainda existem livros! Sabe aquele objeto as vezes pequeno, as vezes grande, com páginas de cheiro sem igual e capazes de nos levar do riso as lágrimas em um piscar de olhos? Pois então, eles ainda existem! E eles ainda são capazes de nos transportarem para mundos mágicos.

Adultos relembram sua infância e a época que ainda escutavam estórias para dormir, crianças fazem novos amigos e nós, que todos os dias nos cercamos de livros, nos encantamos cada vez mais. E então, em cada sorriso de uma criança que ganha seu primeiro livro, em cada brilho no olhar de quem já esqueceu o que é sonhar, eu respondo é pra isso que existe Bienal.

Bienal existe para sonhar, para ao menos uma vez no ano lembrar as pessoas que por mais que elas tenham sido negligentes o ano todo, elas ainda podem comprar um livro e se perder em suas páginas, ter ao lado um amigo que não se importou com a sua ausência, mas que está feliz de tê-lo de volta. Existe para relembrar a infância. Para mostrar que um livro pode mudar sua vida.

E existe principalmente para acreditar. Acreditar que toda tecnologia pode ir e vir, mas que um bom livro sempre vai permanecer, ele e suas páginas amarelas que nos transportaram para lugares distantes onde sempre existirá o “felizes para sempre“.

Fazia tempo que não escrevia algo para o blog que não fosse resenha ou notícia, e eu senti falta, então resolvi escrever esse texto para vocês. E queria saber, o que acham da Bienal. Capitalismo ou Literatura?

Beijos!

Laury

0 Comments

  1. Oi Laury
    Muito bom seu post. Eu tbe não fui neste ano.
    Amo ler e acho que estas oportunidades são bacanas pq dá pra ter contato com os autores e com as editoras (embora pelas fotos que vi, tudo estava muito lotado…)
    Te convido para participar da nossa primeira blogagem coletiva sobre livros, ela é mensal e o mosaico ficará aberto o mês todo.
    Ah, adoramos sua visita lá no blog e o Zacarias te mandou um beijo e pediu para agradecer os parabéns, ele adorou!
    Beijao, querida e uma otima semana!!

    http://www.blogdaclauo.com/2013/09/o-que-voce-leu-de-bom-neste-mes.html

    Reply
  2. Oi Laury!
    Gostei muito do seu texto, pessoal e ao mesmo tempo poético.

    Concordo com você. A bienal pode até ser uma forma das editoras lucrarem mais, mas isso não diminui em nada a qualidade do evento, que reuni leitores de vários lugares diferentes e desperta o interesse daqueles que não são tão leitores assim, sem dúvida é um encontro literário maravilhoso.
    Beijos

    Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *