Resenhas

[Resenha] Nossas Rainhas – Histórias das suas escritoras mais queridinhas

Olá!! Como vão? Essa é a primeira resenha de um livro de contos que faço, então não me matem se ficar horrível, ok? Rsrs

Fiquei sabendo desse livro por outro blog (não lembro qual) e só comprei por causa da Meg Cabot (ainda terei/lerei todos os livros dela) e pelo fato de estar 10 reais na Bienal (AMO livro barato!). Depois de comprar fui dar aquela pesquisada básica sobre o livro e descobri que ele foi resultado de um concurso com as escritoras teens mais queridas. O publico votou e as escritoras doaram seu cachê para uma instituição de caridade que ajuda crianças e jovens ingleses (além de talentosas, ainda são fofas!).

Bem, como são poucos contos, optei por falar de cada um separadamente (está na mesma ordem que no livro, ok?).

*Afundar ou nadar – Cathy Cassidy

Achei que o conto poderia ser maior, quando estava ficando empolgadinha, ele acabou. Ele é bem leve e fala sobre um tema interessante, aceitação, a imagem que temos de nós e a imagem que os outros têm de nós. Ele é bom, mas não me chamou muita atenção, entende?

*Problemas – Jacqueline Wilson

Muito lindo e ao mesmo tempo triste. Achei o conto bem profundo, o que normalmente não se encontra em contos por não ter muito espaço para isso. Ele fala principalmente de amor, em várias formas. Mostra a diferença entre aquelas pessoas verdadeiras e aquelas que lhe abandonarão na primeira dificuldade. Ressalta ainda mais a futilidade de certos desejos, pensamentos e ações, que nem todo amor supera tudo, e que não existe nada pior que ver alguém que ama definhando aos poucos, além de mostrar que quando se está em uma situação deprimente, o mais simples dos gestos pode ser a luz no fim do túnel. Uma autora que vale a pena o tempo de pesquisa.

*Traseiridade inchada e vermelha – Louise Rennison

Um dos contos mais engraçados e também o mais votado. Ele é bom, mas acho que não era pra tanto. Chorei de rir com as loucuras, pensamentos e ações da protagonista, é verdade, mas não escolheria ele como meu preferido. Ah, sim, a menina é louca! rsrs

*Mamãe nunca aprendeu a bater – Cathy Hopkins

Para mim ela já começou acertando no tema, um dos meus temas preferidos, mas que não posso contar qual é para não estragar a surpresa. O conto é profundo a sua maneira e às vezes dá aquela vontadezinha de chorar, normal. Poderia até colocar como um dos preferidos e com certeza vou pesquisar sobre a autora.

*Escavador número 5 – Meg Cabot

Preciso comentar? Acho que todas sabem que Meg Cabot é eternamente minha rainha, não? O conto foi ao estilo Meg mesmo, inconfundível! Não é por nada não, mas eu queria ter a vida da protagonista, o pai dela é arqueólogo e eu AMO isso, mas ok. Bem, o que tornou o conto melhor ainda foi o fato de juntar uma das minhas escritoras preferidas e mitologia, adorei, mas por incrível que pareça, não foi o meu conto preferido (Cry!).

*A.L.M. – Karen McCombie

Não sei o que dizer sobre esse conto, de verdade, não sei o que senti, não sei se gostei ou não. Eu sei, eu ajudo muito, não é? Mas é verdade, foi um pouco estranho. O conto fala da imagem que construímos de alguém, como algumas vezes valorizamos e “deusificamos” uma pessoa que não é assim perfeita, magnífica e tudo mais, como certas coisas podem virar nosso mundo de cabeça para baixo e nos fazer perceber o quanto já erramos em nossos julgamentos.

*Como ser uma estrela – Lisa Clark

Alguma coisa não me deixou adorar esse conto, não sei o que, mas ainda assim meio que gostei. Ele mostra em primeiríssima mão a BAGUNÇA que é fazer uma festa em casa (nunca tentem!) e como é ter irmãos. Sabe aquela coisa de um irmão sempre ser melhor que o outro, tanto para os pais quanto para o restante do mundo? Pois então, fala disso, mas também falo como é importante/legal ter um irmão, mesmo que as vezes tenhamos vontade de matá-lo. rsrs

*Uma vida menos ordinária – Joanna Nadin

Posso falar que não entendi nada? Rsrs Ok, não posso, mas posso dizer que não sou fã do estilo diário que a autora fez. O tema é bom, o que foi abordado em quase todo o livro, aceitação. Aceitar quem você é e mais do que aceitar, gostar, não tentar inventar mentiras e criar histórias para encobrir uma vida supostamente “chata”. O que não deixou o conto ser melhor, foi o fato de ser diário mesmo, se fosse narrado normalmente, eu iria gostar mais.

*Algumas garotas são maiores do que outras – Sarra Manning

Meg Cabot é minha diva, mas depois desse conto Sarra Manning merece um lugar na minha estante  e quem sabe até no meu coração (sou exagerada assim mesmo, ok? Hehe). Além de mostrar como livros podem muda alguém, fazê-la crescer, ainda fala de confiança, auto-estima e mais infinitas coisas. Mostra alguns preconceitos que nós leitores vorazes sofremos pelo simples fato de gostar de ler e como escutar esses comentários é perda de tempo. E sabe aquela paixãozinha por livros com paginas amarelas? Tem também! E tem aquela pessoa que você queria como melhor amiga e o namorado dos sonhos. Acho que foi o maior conto, mas COM CERTEZA vale à pena, pela primeira vez desbancou minha rainha.

“Nossa Rainhas” me surpreendeu, vale a pena! Mesmo tendo uma capa rosa choque e uma coroa brilhante que faz todo mundo lhe olhar estranho quando você passa com o livro na mão (foi tenso levar e ler ele na faculdade! Rsrs).

A resenha ficou meio grande, mas ok, a gente supera. rsrs

Beijos,

Laury.

0 Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *