Textos contos e blábláblá

[Textos, contos e blábláblá] Adeus Férias!

Você deve estar pensando, WTF? Eu explico. Eu gosto muito de ler e gosto muito de escrever também, então pensei, por que não colocar no blog? Já vi muito blog literário com texto dos blogueiros. Enfim, vou colocar alguns textos meus por aqui. O que acham? E como minhas férias estão acabando, amanha minha faculdade volta (chora :'( ), vou colocar um texto que fiz em “homenagem” as minhas férias. É, eu sei, estranho, mas fazer o que, as minhas férias beiraram a maluquice, então nada melhor que um texto para lembrá-la.

— * — * — * — * –* — * — * — * — * — * — * — * — * –* — * — * — * — * — * — *

E a ultima coisa do mundo que eu esperava fazer, eu fiz. Se foi bom? Pode se dizer que sim. Mas afinal, o que é um momento em um mês maluco? Quem dirá em toda uma vida.

Quando tudo vira de cabeça para baixo, coisas que já foram esquecidas, voltam a te perturbar, às vezes até mesmo coisas que você nem sabe porque esqueceu. Correr atrás da vida, abrir portas, fechar outras que foram esquecidas. Quem nunca sentiu essa vontade? Parar tudo, olhar para trás, juntar o passado e presente, ver o que você quer e o que não quer mais, entender quando perdeu algumas coisas e quando ganhou outras. Passar a limpo. Porque peça de teatro ou não, deixamos muitas coisas só no ensaio.

Ensaiamos fazer, ensaiamos dizer, ensaiamos esquecer. Mas não podemos ensaiar para sempre, não é? Afinal, um mundo inteiro nos cerca e eles esperam um espetáculo. Bem, alguns esperam um desastre, mas você quer mesmo ver eles dizerem que estavam certos, que você é um péssimo investimento? Claro que não! Então vamos partir para o show, sem querer tudo de bom, mas sem esperar tudo de ruim, porque um espetáculo que se preze tem risadas, mas também tem lagrimas. Quem quer algo perfeito do qual não se aprende nada? É uma fabula sem moral. E quem lê uma fabula se não para ler a moral?

Então chega de ensaios. Sei que já fiz, pensei e falei tudo que queria, já tinha ensaiado de mais. Fechei portas que a muito tinham sido esquecidas abertas, mas também abri outras que nunca tinha me preocupado em buscar a chave. Perdi. Ah, se perdi! Perdi mais do que imaginava perder, mas quem disse que também não ganhei? O saldo está equilibrado? Dificilmente, afinal, todos sabem que sentimos mais a perda que o ganho, mas já passou, foi. Equilibrado ou não, o que está no passado, lá deve ficar, para ser lembrado apenas com nostalgia, atrás de portas muito bem trancadas.

Aproveitemos as que estão abertas e valem à pena permanecer assim, elas guardarão mais chaves para mais portas, para mais chances, para mais momentos inesquecíveis. Deixemos os esboços e ensaios de lado, para que esperar? Você por acaso sabe quando terá outra oportunidade como aquela?

— * — * — * — * –* — * — * — * — * — * — * — * — * –* — * — * — * — * — * — *

FIM!

E então, o que acharam do meu texto e da ideia da “coluna”?

Beijos,

Laury

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *